Pular para o conteúdo principal

Reconhecimento do diploma de medicina em Portugal



            Sobre o processo de reconhecimento de títulos estrangeiros de medicina para o ano de 2019, temos algumas considerações a fazer;

Acompanhamos nas redes sociais e grupos de whatsapp muitos "achômetros" sobre o processo de medicina.

Fazemos o acompanhamento direto nas universidades Portuguesas e acompanhamos a legislação diretamente no Diário da República, então nossas colocações correspondem a nossa experiência profissional.

Para esclarecer e evitar que os interessados  em realizar o processo caiam nas já famosas “fake news”, resolvemos fazer esclarecimentos gerais sobre as informações que temos;

A primeira questão é que o processo de reconhecimento do curso de medicina para o ano de 2019 NÃO ESTÁ DEFINIDO.  Existe a tendência de que seja muito parecido com o que foi realizado em 2018, tendo em vista a publicação feita de maneira "intempestiva" pela Universidade do Minho" e a proposta de Regulamento do Processo de Reconhecimento Específico ao Ciclo de Estudos Integrado do Mestrado em Medicina das Escolas Médicas Portuguesas.

Quem acompanha os processos de reconhecimento a mais tempo, vai lembrar que em 2018 a Universidade do Minho centralizou o processo de reconhecimento da primeira fase, realizada em conjunto por todas as universidades. Este processo teve muitos problemas desde o início, com questões mal formuladas, gabaritos errados, confusões de datas, etc. Isso provocou grande transtorno para todas as universidades, que se viram assoberbadas com um grande número de questionamentos e recursos, atrasando assim todo o processo, previsto para ser simplificado.

Também em 2018 foi aprovada a nova lei dos reconhecimentos, visando unificar os decretos-lei 283/83 e 341/2007, dar clareza  e simplificar o processo de reconhecimento.

E daí, ficou mais fácil?  afinal é só colocar o processo na plataforma e aguardar, não é?

Não é exatamente assim. No Decreto Lei 66/2018 foram estabelecidos documentos e  procedimentos mínimos necessários ao reconhecimento, além de padronizar as nomenclaturas. No entanto,  há a possibilidade das universidades definirem documentos e procedimentos complementares que entendam necessários.

A plataforma da DGES, onde são incluídos os processos, é um sistema informático de controle, mas a partir do ingresso o processo vai 100% para as universidades, como sempre foi.

Especificamente sobre o reconhecimento em medicina. Depois do confuso processo de 2018 e da necessidade de adequação à nova legislação, as escolas medicas se reuniram em setembro de 2019 e definiram os procedimentos. Embora pareça que o processo será semelhante ao ano anterior e que o processo será conjunto e centralizado na Universidade de Lisboa, pairam incertezas.

A universidade de Lisboa esta então realizando os procedimentos que entende necessários para o bom andamento do processo de reconhecimento de medicina, da mesma forma como fez com o reconhecimento de medicina dentária, promoveu uma consulta publica.

Este procedimento foi publicado no Diário da Republica em 24/10 de 2019 Consulta Pública  e tem 30 dias, segundo o regulamento interno da universidade de Lisboa , para receber sugestões.

Nosso advogado e outros tantos interessados apresentaram sugestões ao regulamento. E findo o prazo de 30 dias para as sugestões, deverão estas serem analisadas e consideradas ou não. Será então publicado o regulamento do procedimento. Então, o prazo para consulta pública se esgota em 24 de novembro.
Mas se a proposta é de  centralização e o regulamento da consulta pública prevê o prazo de 30 dias, por que as demais universidades estão fazendo suas publicações em diferentes datas, deste mesmo instrumento.  E se os processos forem separados e a Universidade que você postou o seu processo optar por não realizar o processo este ano? A Universidade do Porto publicou em 29/10 e a Universidade Nova de Lisboa publicou hoje, dia 11/11/2019
Tomando como referência a consulta feita para o procedimento de reconhecimento do mestrado em medicina dentária, realizado neste ano, e muito menos polêmico, não devemos ter a publicação do regulamento oficial antes de janeiro. O regulamento  de medicina dentaria, para consulta pública, foi feito em 23 de maio de 2019 e somente em 10 de outubro de 2019 é que houve a oficialização no DRE.  Quase 5 meses após.

Considerando o que expus acima, sugiro aos interessados que fiquem atentos, e que não comprem as suas passagens para janeirowww.emportugalconsultoria.com.br


Postagens mais visitadas deste blog

Conversão de escala das notas escolares brasileiras às portuguesas

                   Quando um aluno brasileiro transferir  ou  for reconhece suas competências acadêmicas em Portugal, precisará juntar aos documentos a equivalência entre as notas brasileiras e portuguesas.                                      O que regulamenta esta questão é a Portaria 699/2006 do Ministério da Educação Português, que aprova as tabelas comparativas entre o sistema de ensino português e outros sistemas de ensino. Equivalência entre sistemas de ensino de Portugal e Brasil                      O parâmetro de notas na conversão das escalas portuguesas e brasileira, serão as notas praticadas no sistema de avaliação de cada escola. Exemplificando;                 A escola X tem a escala de avaliação de 0 à 10 e tem como média para aprovação a nota 6.                 Então a escala de identificação de notas a ser usada será a escala 6 à 10.                                 Supondo-se que um aluno do ensino médio brasileiro tenha tirado not

Declaração de Responsabilidade Financeira

             A maioria dos estudantes, quando vai estudar em outro país, precisa apresentar, entre outros documentos, a justificativa de como será feita a sua subsistência durante o tempo que estará estudando.             Uma das formas de comprovar a subsistência é a declaração de responsabilidade financeira, feita por uma pessoa próxima que tenha condições de dar suporte financeiro para o estudante. É uma declaração da pessoa que será o responsável por pagar as despesas durante o tempo em que o estudante estiver no exterior. A declaração de responsabilidade financeira  deve conter os dados (RG e CPF) da pessoa que irá sustentar o estudante durante o período que estiver no exterior, os dados do estudante (RG, CPF e Passaporte), a data, o destino e o objetivo da viagem e o grau de parentesco entre o financiador e o estudante. Essa carta deverá ser assinada e autenticada em cartório e ser acompanhada de documentos comprobatórios da condição do declarante. Pode ser a declaraç

Como escrever uma CARTA DE MOTIVAÇÃO para mestrado, doutorado ou bolsa de estudos.

                       É frequente que as universidades portuguesas solicitem carta de motivação como parte da candidatura a uma graduação ou pós-graduação (mestrado ou doutorado). Para a candidatara a bolsa de estudos a carta é obrigatória e pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso.          A  Carta de Motivação  é o documento mais personalizado da candidatura – uma chance única de apresentar aos avaliadores quem você é além do seu currículo e do seu histórico acadêmico. É uma chance de oferecer  informações  relevantes e interessantes sobre sua trajetória e provar que é a pessoa certa e mais motivada entre os candidatos concorrentes.          É necessário escrever uma carta que seja concisa, objetiva e convincente no seu propósito de “vender-se”.   Este é um modelo campeão; Gustavo Torres, de 17 anos, foi aprovado em cinco universidades de excelência dos Estados Unidos: Columbia, Duke, Harvard, MIT e Stanford. VEJA AQUI a tradução da carta de motivação apresenta