Pular para o conteúdo principal

#Equivalência em medicina 2018#


Finalmente, depois de mais de um ano aguardando, os médicos que esperam a possibilidade de fazer a equivalência de seus títulos tem uma boa notícia.
As universidades portuguesas aprovaram o novo processo de equivalência de medicina. O processo foi aprovado por unanimidade em 13 de julho de 2018 e aguarda a publicação no Diário da República (o Diário Oficial Português).
Havia a expectativa que a publicação fosse feita próxima do dia 15 de setembro e as universidades já se programavam para disparar o novo processo de equivalência dia 17/09.  Como não ocorreu, esperam dia à dia pela referida Publicação.
Para quem não tem acompanhado o percurso que as equivalências acadêmicas tem sofrido até agora, vou relatar brevemente;
Até 2015, embora houvessem limitações legais nos seus conteúdos, as universidades usavam o bom senso  e realizavam as equivalências de todos os cursos sem provas ou critérios excludentes(de todos os cursos compatíveis). No entanto,  a demanda de títulos a serem reconhecidos aumentou muito e as universidades passaram a ter dificuldade de enquadrar todos os cursos às suas regras, já que a pluralidade de horas aula e conteúdos  é muito grande e sem padrão.
Visando um critério de equidade, em 2016 as universidades passaram a adotar uma prova de avaliação.  E no processo realizado  em abril de 2017 realizaram 3 provas;  Uma prova objetiva de conhecimentos gerais, com 100 questões, a mesma do ingresso no internato médico. Após a prova, o diagnósticos de 2 pacientes e por fim a defesa de um trabalho monográfico. Todas eliminatórias.
Agora voltamos para os dias atuais.
Após o concurso de 2017, as universidades entraram em um processo de reanálise  dos critérios de seleção e estamos a mais de ano aguardando a divulgação do processo de equivalência em medicina.
Para 2018 as universidades de medicina ainda não abriram os processos de equivalência, mas tivemos acesso ao sistema que será adotado e que aguarda publicação oficial.
Então apresentamos abaixo como será o processo de equivalência em medicina de 2018. Ele deverá ocorrer ainda este ano.
- A primeira mudança á que todas as universidades realizarão o processo simultaneamente e a prova é realizada em conjunto pelas escolas médicas.
- Como no exame anterior, serão três provas, mas com características um pouco diferentes;
A PROVA
A prova terá 120 questões e será de escolha múltipla. Com cinco hipóteses e uma resposta certa. O médico terá 180 minutos para a realização.
Engloba as seguintes áreas da medicina:
 Medicina Interna (40 questões), Cirurgia Geral (20 questões), Pediatria (20 questões), Obstetrícia/Ginecologia (10 questões), Clínica Geral (10 questões), Saúde Pública (10 questões), Saúde Mental (10 questões);
A bibliografia sugerida deve levar em conta publicações com atualização nos 18 meses anteriores à prova.
Serão aprovados os alunos que alcançarem 50% de acertos ( 60 questões).
Se aprovado, o candidato irá para a segunda prova.
Prova Prática/Clínica:
O diagnóstico de um doente, com preparação de relatório.
O candidato tem 60 minutos para entrevistar o doente  e outros 60 minutos para redigir um relatório contendo a história clínica, proposta de terapêutica e prognóstico que será apresentado para a banca.
A classificação será de “aprovado” ou “não aprovado” e deve ter uma classificação na escala de 10 a 20, no caso de aprovação.
“Trabalho Final de Mestrado Integrado” ou equivalente
Os candidatos aprovados nas provas anteriores devem apresentar um dos seguintes trabalhos:
1-    Dissertação; ou
2-    Monografia; ou
3-    Relatório Curricular.
Apresentado para um júri formado por três docentes especialistas na área do trabalho apresentado pelo candidato.
A classificação assume a forma de “aprovado” ou “não aprovado” e pode ter uma classificação na escala de 0 a 20. 
  •          O cálculo da nota final resulta da média aritmética das três provas, na escala de 0 a 20.
  •          Cada candidato pode apresentar-se a Exame de Equivalência, no máximo, duas vezes, em cada Escola Médica.

Acompanhe a EM PORTUGAL em nosso site www.emportugalconsultoria.com.br  e nas mídias sociais, Divulgaremos todas as informações e novidades sobre o processo de equivalência 2018.  
Caso você precise de consultoria especializada para realizar o processo, contrate nossos serviços.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conversão de escala das notas escolares brasileiras às portuguesas

                   Quando um aluno brasileiro transferir  ou  for reconhece suas competências acadêmicas em Portugal, precisará juntar aos documentos a equivalência entre as notas brasileiras e portuguesas.                                      O que regulamenta esta questão é a Portaria 699/2006 do Ministério da Educação Português, que aprova as tabelas comparativas entre o sistema de ensino português e outros sistemas de ensino. Equivalência entre sistemas de ensino de Portugal e Brasil                      O parâmetro de notas na conversão das escalas portuguesas e brasileira, serão as notas praticadas no sistema de avaliação de cada escola. Exemplificando;                 A escola X tem a escala de avaliação de 0 à 10 e tem como média para aprovação a nota 6.                 Então a escala de identificação de notas a ser usada será a escala 6 à 10.                                 Supondo-se que um aluno do ensino médio brasileiro tenha tirado not

Declaração de Responsabilidade Financeira

             A maioria dos estudantes, quando vai estudar em outro país, precisa apresentar, entre outros documentos, a justificativa de como será feita a sua subsistência durante o tempo que estará estudando.             Uma das formas de comprovar a subsistência é a declaração de responsabilidade financeira, feita por uma pessoa próxima que tenha condições de dar suporte financeiro para o estudante. É uma declaração da pessoa que será o responsável por pagar as despesas durante o tempo em que o estudante estiver no exterior. A declaração de responsabilidade financeira  deve conter os dados (RG e CPF) da pessoa que irá sustentar o estudante durante o período que estiver no exterior, os dados do estudante (RG, CPF e Passaporte), a data, o destino e o objetivo da viagem e o grau de parentesco entre o financiador e o estudante. Essa carta deverá ser assinada e autenticada em cartório e ser acompanhada de documentos comprobatórios da condição do declarante. Pode ser a declaraç

Como escrever uma CARTA DE MOTIVAÇÃO para mestrado, doutorado ou bolsa de estudos.

                       É frequente que as universidades portuguesas solicitem carta de motivação como parte da candidatura a uma graduação ou pós-graduação (mestrado ou doutorado). Para a candidatara a bolsa de estudos a carta é obrigatória e pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso.          A  Carta de Motivação  é o documento mais personalizado da candidatura – uma chance única de apresentar aos avaliadores quem você é além do seu currículo e do seu histórico acadêmico. É uma chance de oferecer  informações  relevantes e interessantes sobre sua trajetória e provar que é a pessoa certa e mais motivada entre os candidatos concorrentes.          É necessário escrever uma carta que seja concisa, objetiva e convincente no seu propósito de “vender-se”.   Este é um modelo campeão; Gustavo Torres, de 17 anos, foi aprovado em cinco universidades de excelência dos Estados Unidos: Columbia, Duke, Harvard, MIT e Stanford. VEJA AQUI a tradução da carta de motivação apresenta