Pular para o conteúdo principal

Entendendo o ensino Superior em Portugal



          Para quem está pensando em estudar em Portugal, algumas informações são essenciais, a primeira delas é que o sistema de educação público é o mais utilizado em todo país e é reconhecido como um dos melhores da Europa.

          A primeira fase é o infantário (a creche no Brasil), onde as crianças podem frequentar dos 3 anos aos 6 anos de idade. Todos os alunos iniciam no Ensino Básico aos 6 anos de idade e a escolaridade obrigatória termina quando o aluno completa 18 anos (no 12º ano), chamado de Ensino Secundário (Ensino Médio no Brasil).

          Em Portugal, a taxa de alfabetização é de 95%. Atualmente no Ensino Básico as matrículas estão próximas a 100%.

Qualidade do ensino em Portugal

          A educação pública de Portugal se destaca na Europa e é reconhecido e copiado em muitas partes do Mundo. Como já mencionado, a maior parte da população estuda em escolas e universidades públicas. A escola particular também tem sua clientela. Para os estudantes  internacionais os valores pagos nas universidades públicas e privadas é próximo.

          Recentemente o Jornal El País publicou uma reportagem sobre a crescente melhoria do ensino em Portugal. O País se destaca nos relatórios educacionais PISA 2012-2015. PISA é um programa internacional de avaliação de estudantes que é realizado em 70 países a cada 3 anos. Portugal é o único país da Europa que vem melhorando o desempenho ano à ano.

          As escolas superiores públicas e privadas são constantemente avaliadas pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior e dos seus ciclos de estudos. A qualidade do ensino de línguas chama a atenção. O aluno se forma falando fluentemente o português, o inglês e mais um idioma a escolha da turma (em geral, alemão ou francês). O esporte é levado a sério e a maior parte dos alunos elegem o seu preferido e acabam por competir na modalidade nas competições estudantis da Europa.

Estudar em Portugal

          As universidades de Portugal existem desde 1290. A primeira foi a Universidade de Coimbra, uma das mais antigas do mundo ainda em funcionamento. No ano de 2006 as universidades de Portugal aderiram à Declaração de Bolonha (falaremos mais sobre ela em outro post), que introduziu o sistema de três ciclos, Licenciatura/Mestrado e doutorado.

          Atualmente o Processo une 46 países, signatários da Convenção Cultural Europeia. Após a licenciatura (3 anos) é possível entrar no Mestrado que tem duração entre um ano e meio e dois anos. Depois do Mestrado, e Doutoramento tem duração média de 3 anos. É muito comum as universidades oferecerem cursos de licenciatura e mestrado contíguos.

          O ano letivo em Portugal inicia em setembro e termina no final do mês de junho do próximo ano. Nos meses de julho, agosto e início de setembro são as férias escolares, durante o verão. O Ensino Básico é dividido em 3 ciclos: 1º ciclo (do 1º ao 4º ano), 2º ciclo (do 5º ao 6º ano) e o 3º ciclo (do 7º ao 9º ano). O Ensino Secundário engloba os 10º, 11º e 12º ano (equivalente ao Ensino Médio no Brasil).




Quanto custa estudar em Portugal?

         A educação pública em Portugal não é gratuita como no Brasil. O valor do infantário, Ensino Básico e Ensino Secundário varia de acordo com a remuneração dos pais, podendo variar entre isenção à 50 euros. Para todos os ciclos existem escolas particulares, onde o valor varia de 80 à 400 euros mensais. 

         .As mensalidades são chamadas de “propina” e o valor médio do ensino superior público, para os europeus, é de mil e duzentos euros anuais. Em universidades particulares varia entre dois mil e sete mil euros anuais.

          Para os estrangeiros os valores pagos nas universidades públicas variam de 2000 à 7000 euros por ano e nas universidades privadas é o mesmo valor pago pelos nacionais. Existe uma política de bolsas para alunos que vem com boas notas ou se destacam acadêmicamente.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conversão de escala das notas escolares brasileiras às portuguesas

                   Quando um aluno brasileiro transferir  ou  for reconhece suas competências acadêmicas em Portugal, precisará juntar aos documentos a equivalência entre as notas brasileiras e portuguesas.                                      O que regulamenta esta questão é a Portaria 699/2006 do Ministério da Educação Português, que aprova as tabelas comparativas entre o sistema de ensino português e outros sistemas de ensino. Equivalência entre sistemas de ensino de Portugal e Brasil                      O parâmetro de notas na conversão das escalas portuguesas e brasileira, serão as notas praticadas no sistema de avaliação de cada escola. Exemplificando;                 A escola X tem a escala de avaliação de 0 à 10 e tem como média para aprovação a nota 6.                 Então a escala de identificação de notas a ser usada será a escala 6 à 10.                                 Supondo-se que um aluno do ensino médio brasileiro tenha tirado not

Declaração de Responsabilidade Financeira

             A maioria dos estudantes, quando vai estudar em outro país, precisa apresentar, entre outros documentos, a justificativa de como será feita a sua subsistência durante o tempo que estará estudando.             Uma das formas de comprovar a subsistência é a declaração de responsabilidade financeira, feita por uma pessoa próxima que tenha condições de dar suporte financeiro para o estudante. É uma declaração da pessoa que será o responsável por pagar as despesas durante o tempo em que o estudante estiver no exterior. A declaração de responsabilidade financeira  deve conter os dados (RG e CPF) da pessoa que irá sustentar o estudante durante o período que estiver no exterior, os dados do estudante (RG, CPF e Passaporte), a data, o destino e o objetivo da viagem e o grau de parentesco entre o financiador e o estudante. Essa carta deverá ser assinada e autenticada em cartório e ser acompanhada de documentos comprobatórios da condição do declarante. Pode ser a declaraç

Como escrever uma CARTA DE MOTIVAÇÃO para mestrado, doutorado ou bolsa de estudos.

                       É frequente que as universidades portuguesas solicitem carta de motivação como parte da candidatura a uma graduação ou pós-graduação (mestrado ou doutorado). Para a candidatara a bolsa de estudos a carta é obrigatória e pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso.          A  Carta de Motivação  é o documento mais personalizado da candidatura – uma chance única de apresentar aos avaliadores quem você é além do seu currículo e do seu histórico acadêmico. É uma chance de oferecer  informações  relevantes e interessantes sobre sua trajetória e provar que é a pessoa certa e mais motivada entre os candidatos concorrentes.          É necessário escrever uma carta que seja concisa, objetiva e convincente no seu propósito de “vender-se”.   Este é um modelo campeão; Gustavo Torres, de 17 anos, foi aprovado em cinco universidades de excelência dos Estados Unidos: Columbia, Duke, Harvard, MIT e Stanford. VEJA AQUI a tradução da carta de motivação apresenta